Área de Sócio

XXVII CONGRESSO PORTUGUÊS DE ATEROSCLEROSE


XXVII Congresso Português de Aterosclerose

88th EAS Congress


88th EAS Congress

IAS 2020


IAS 2020

VIII CURSO AVANÇADO DE LIPIDOLOGIA 2019

Hipercolesterolemia Familiar (HF)

 

Materiais informativos

Hipercolesterolemia Familiar (HF)

Desenvolvidos pelo “International FH Paediatric Register”.

Uma cortesia do Grupo de Investigação Cardiovascular do INSA para chegar as famílias com crianças com FH para que melhor compreendam a sua doença e vivam melhor com ela.

Foram desenvolvidos para idades diferentes com conteúdos adaptados:

quarta, 20 novembro 2019 16:00

Mudança de paradigma no tratamento da diabetes

“De facto, o tratamento da diabetes mudou nos últimos anos”. É desta forma que a Prof.ª Doutora Paula Freitas, do Hospital de São João, começa por explicar a transformação na renovação terapêutica desta doença. Em entrevista ao My Cardiologia, a especialista explica os benefícios cardiovasculares e renais já apresentados por duas classes farmacológicas. Assista ao depoimento em vídeo.

Na visão da especialista, atualmente um fármaco para o tratamento da diabetes tem ser a resposta aos vários fatores de risco da doença: “baixar a imunoglobulina e o peso, que não se associe a hipoglicemias, que tenha um perfil lipídico favorável e que reduza a hipertensão”.

Neste sentido, os inibidores SGLT2 e os agonistas GLP-1 são um bom exemplo, uma vez que “estão associados a benefícios cardiovasculares e renais, que vão para além daquilo que é o controlo glicémico”. Por sua vez, os inibidores mostraram uma “redução dos eventos cardiovasculares”, principalmente da insuficiência cardíaca, também pela “redução do número das hospitalizações”.

Por outro lado, os agonistas de GLP-1 “são fármacos com impacto, sobretudo, no processo aterosclerótico, demonstram reduzir os eventos cardiovasculares e a doença renal”, aponta a especialista.

No entanto, os clínicos ainda não sabem “como conseguem estes tratamentos ser tão eficazes na redução de comorbilidades, tais como a hipertensão, a dislipidemia, o peso e a pressão arterial”. “Percebermos como conferem este benefício é o desafio para o futuro”, conclui.